Um pouco do que eu concluí ouvindo áudios de três minutos

Eu decidi escrever antes de comer, pra comer eu tenho de estar focada.

Sempre fui do tipo de pessoa que se apaixona fácil, namora fácil, admite que ama facilmente, ultimamente eu tenho sentido exatamente tudo isso, mas sem admitir pra mim mesma e pros outros por puro medo. Medo do que se é recíproco? Cara, não sei, medo de passar essa fase de novo e eu me encontrar onde sempre acabo voltando, sem sentir nada.

Eu amo isso de estar sentindo, principalmente coisas boas. Por muito tempo fui tão vazia quanto vácuo, mas eu não tô remetendo minha alegria só a uma pessoa, veio tudo meio que junto, sabe?! …

Morri e nasci de novo. Fui, ao poucos, aprendendo o que eu queria desde o começo da minha vida, satisfação própria. Eu sei que passei a ser muito mais grossa, muito mais fechada, mas eu me sinto mais sincera. Eu com uma pancinha sabe, de quem comeu e não foi ao banheiro, mas não ligando, cada dia mais mole, porém cada dia mais gostosa, pra mim. Finalmente parei com a carne e nunca me senti tão bem, consciência 40% mais leve. Eu nunca estive tão foda-se na minha vida em relação ao o que as pessoas acham de mim. Eu usando muito mais maquiagens coloridas, eu batendo de frente com quem merecendo. Perdi meu medo pra muitas coisas, mas, voltando ao assunto inicial, ainda tenho medo dos sentimentos.

Sentimentos sempre foram meu ponto fraco, isso é o mal da intensidade. Sentir as coisas tão intensamente quanto eu sinto não é nada bom, eu me entrego de cabeça pras coisas, eu tento achar razão, tento rotular. Eu mesma, que sou tão livre e contra rótulos, rotulando relacionamentos. Que mania de sentir medo!

Não que isso não tenha mudado um pouco, pois tenho um serzinho loiro/iluminado/galinha conselheira que meio que me esclareceu tanta coisa, coisa que eu já sabia, mas que foi atropelada pelo medo.

Acho que desde hoje vou me permitir. Vou aceitar que eu não sou a única culpada da minha alegria, é também minhas amizades, minha faculdade, meus roles, minhas músicas e meu boy. Admito mesmo.

Não tem como se ajudar sozinha, tem de deixar as pessoas te darem a mão, literalmente ou não. Lembrar que não é só você e sua mãe que te desejam bem. Já dizia a música da Flora num dia de muito vento: isso é amor!

ps não é um texto de auto ajuda eu juro! só tô falando o que eu sinto obg

 

Anúncios

Auchma

Eu sei que eu sou muito resolvida com minha vida aparentemente, e talvez eu seja mesmo, mas ultimamente não quero admitir.

Não falo de personalidade e sim de sentimentos.

Admitir algo para nós mesmos é a pior coisa que pode acontecer. Admitir um sentimento, que ao menos consigo esconder, é pior ainda…

Não consigo mais enganar a mim mesma e nem as pessoas a minha volta. Eu estou completamente apaixonada, de novo.

Esse blog é um compilado de todas as bocas que beijei na vida, todas paixões, duradouras ou momentâneas e eu sempre digo que é diferente, mas eu juro que dessa vez é mesmo.

É diferente porque é uma pessoa tão diferente quanto eu, que entende meu ponto de vista sobre o mundo, que concorda com as diferenças, que gosta das diferenças, que está na diferença junto comigo, que é diferente.

E depois de tanto pestanejar, relutar e enrolar começo de fato meu texto sobre esse momento que vivo.

Sinto muito mais que paixão, sinto muita amizade, companheirismo e, ao mesmo tempo, medo. De perder o que construímos por algum motivo bobo ou não, como já aconteceu comigo antes.

Toda vez que estou nas nuvens demais eu me bloqueio, não me permito sair do chão por puro medo…

… Mas eu cansei de sentir medo, como dizia uma letra de uma das músicas do boogarins: “é como ir de encontro ao outro e deixar bater, se arrebentar sem doer. É como entrar em meio ao fogo só pra derreter. Se entregar sem querer”.

Céu cor de chicletes de menta

Quem diria que um dia escreveria sobre uma sorveteria… Não exatamente sobre a sorveteria em si, mas as lembranças e momentos que pairam ali. 

Há cinco anos que frequento. Cada ano, um momento, um sentimento, um parceiro. 

Que ali vivi paixões, amizades e, sempre minhas, confusões. 

Apesar das diferenças os sabores sempre foram os mesmos, não viveria sem as suas presenças. 

Curiosamente, conforme a companhia os sabores mudavam de característica: mais engraçados, mais infantis, mais normais, mais amigos…

E agora vivo o melhor momento, amizade, risada e uma bola de limão siciliano bem azedo…

… Aliás, saudades! 
Sirène 

Complicada e Perfeitinha

Pretinha, você me desafiou a escrever pra você, mal sabe que isso pra mim não é um desafio. Escrever pra você é fácil, difícil é escrever sobre você… Escolhi o difícil!

 

Complicada e perfeitinha, sempre foi assim e, provavelmente, sempre será. Acha que é a dona da razão e, pra ser sincera, a maioria das vezes é mesmo. Perfeccionista com tudo, mas não é um defeito, porque o resultado é sempre incrível. Tudo que você toca vira unicórnio, de tão mágico que fica. Você é o melhor exemplo de mulher, e você pode dizer que não, mas é um dos melhores exemplos de GIRL POWER que eu conheço. Tão séria, independente, precisa de ninguém opinando. Você não fala, você vai lá sozinha e faz. GIRL POWER TOTAL!!

Eu sei que só falei do seu jeito mulher de ser, porém não esqueço que aí dentro tem uma menina boba, brincalhona, bem esquisita (sei bem do que eu estou falando). Tenho certeza que depois de sete anos, se estivéssemos no meio da rua e eu puxasse This is Me você cantaria junto comigo, entre risadas e pensando o tamanho da vergonha que está passando, mas cantaria, não perderia essa deixa… Eu tenho certeza. Sabe por que eu tenho certeza? Porque você, por mais adulta que seja, ainda é você, a complicada e perfeitinha que eu conheci a oito anos atrás, você continua esquisita e por isso continua minha amiga, se tivesse mudado, com certeza não seria, mas a gente, pretinha, por mais longe que fique, por menos que se fale, a gente se conhece, a gente é estranha e somos estranhas juntinhas, sem medo de consequências.

Cada vez que eu lembro de você (pelo menos uma vez por semana) sei que sempre vou ter você aqui, não fisicamente, mas no coração e me sinto muitíssimo bem, pois é 100% reciproco. Sabemos que entre nós, não importa a lonjura, não existe medo, segredos, nós somos nós, com 13 ou 83 anos e sabemos que hoje em dia eu sou bem mais fã da Miley que você!

Eu te amo e não é pouco não. Eu espero ansiosamente o dia que eu tiver grana pra irmos tomar um café no Café com Gato e depois irmos pra sua casa ver algum filminho romântico ridículo pra chorarmos juntas.

 

Sirène

Pausa, suspiros, reticências

Eu e minha capacidade incrível de me apaixonar fácil…

… Sempre os olhos bonitos, sorrisos sinceros, amizade, piadas… Sempre…

… Apesar de tudo, não parece igual as outras vezes nesse momento… Parece que eu me sinto calma, paciente, com um sorriso bobo, mas os pés no chão. Me sinto realista, mas com o coração batendo mais forte.

As aulas perdidas pelos meus pensamentos de como aquele abraço pré milk-shake foi confortável, sincero, se encaixou tanto e o melhor, inesperado…

… Estradas que viram momentos de lembranças de como nossas mãos se juntam de qualquer jeito, qualquer posição… Qualquer!…

… Nossos corpos que se esquentavam juntos, os óculos que batiam e o filme rolando…

… Nem sei qual filme rola na minha cabeça… Se é o qual estamos vendo ou se é o qual estamos vivendo… Não sei mais… Nem sei se quero tentar entender…

… Sabe… Permitir, sentir, essas coisas… É mais gostoso isso… Mais artístico.

Fico rindo sozinha, sabe… Arte (leia entre risos)… Tudo com você ou sobre você acaba em arte!… Coincidência! (Me acabando em risadas internas).

 

Sirène

Transmissão de arte escrita 

Todos nós, artistas, temos quase o mesmo propósito: transmissão.

Talvez uns mais e outros menos, mas sempre transmissão.

As vezes transmissão do que sentimos. As mágoas, os amores, enfim, os devaneios que a vida nos causa. As vezes transmissão do que os outros vivem, contar uma história, falar sobre uma realidade, algo que está dentro de nós, mas nós não necessariamente encaramos como nosso sentimentos.

A arte é louca. Nos permite várias interpretações de uma mesma coisa. Um sentimento que só você vai sentir, uma descrição que te define, uma pintura que te faz sonhar longe, uma música que te tira da realidade.

Certas coisas só a arte pode proporcionar, mas o que mais é proporcionado através da arte é inspiração. Sem inspiração somos nada. A inspiração move o mundo, ela cria aparatos inimagináveis, e talvez, o cara que inventou a televisão touch só queria se sentir dentro de uma pintura ou de um filme, só queria fazer com que fosse real, fosse tocável e fez. Entende o que eu quero dizer? A inspiração ela nos move e a arte move a inspiração.

Sirène

Bobo

Nunca foi tão fácil e rápido gostar de alguém. Um sentimento que foi reciproco muito rápido…

Na verdade está tudo indo rápido, mas eu não estou com medo. Por algum motivo me sinto bem, me sinto confiante, porque eu sinto que é verdadeira essa admiração de um pelo outro. Isso de trocar experiência, vivenciar momentos e conversar muito bem e por muitas horas sobre nada.
Sinto nos olhos, sinto bater dentro de mim. Tudo tão novo e de repente. Você me deixa bem, me sinto mais radiante, me sinto como se fosse espetacular e eu não sentia isso a muito tempo. Sinto ansiedade, meu coração bate quase que fora de mim quando encostamos nossas mãos.

Seu cheiro que não sai do meu braço e seu olhar que não sai da minha cabeça. As piadas bobas e a covinha fofa. Não podemos esquecer o ukulele.

 

Eu queria poder escrever mais sobre tudo isso que vivi em apenas uma semana, mas eu ainda estou boba, ainda sem saber reagir muito bem, meio tímida, escrevendo isso com aquele sorriso idiota, sabe?

Bobo, talvez realmente seja a hora de tocar o B pelo F, pois cada dia que passa você se supera. Eu adoro você.

 

(P.S.: obrigada pelo chocolate, principalmente obrigada pela companhia).

 

Sirène